Budismo e Karma – Introdução à compreensão budista do karma

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Karma é uma palavra que todos conhecem, mas poucos no Ocidente entendem o que significa. Os ocidentais muitas vezes pensam que significa “destino” ou é algum tipo de sistema de justiça cósmico. Esta não é uma compreensão budista do karma, no entanto.

Karma é uma palavra sânscrita que significa “ação”. Às vezes você pode ver a ortografia em Pali, kamma , que significa a mesma coisa.

No budismo, karma tem um significado mais específico, que é ação volitiva ou voluntária . As coisas que escolhemos fazer, dizer ou pensar colocam o carma em movimento. A lei do karma é, portanto, uma lei de causa e efeito, conforme definido no budismo

Às vezes, os ocidentais usam a palavra karma para significar o resultado do karma. Por exemplo, alguém pode dizer que John perdeu o emprego porque “é o carma dele”. No entanto, como os budistas usam a palavra, o carma é a ação, não o resultado. Os efeitos do carma são chamados de “frutos” ou “resultado” do carma.

Os ensinamentos sobre as leis do carma se originaram no hinduísmo, mas os budistas entendem o carma de maneira um pouco diferente dos hindus.

Buda histórico viveu 26 séculos atrás no que hoje são o Nepal e a Índia e, em sua busca pela iluminação, procurou professores hindus. No entanto, o Buda levou o que aprendeu de seus professores em algumas direções muito novas e diferentes.

O potencial libertador do carma

O professor budista Theravada Thanissaro Bhikkhu explica algumas dessas diferenças neste esclarecedor ensaio sobre karma . Na época do Buda, a maioria das religiões da Índia ensinava que o karma operava em uma linha reta simples – ações passadas influenciam o presente; ações presentes influenciam o futuro.

Mas para os budistas, o carma não é linear e complexo. Karma, o Ven. Thanissaro Bhikku diz, “age em múltiplos ciclos de feedback, com o momento presente sendo moldado tanto por ações passadas quanto por ações presentes; ações presentes moldam não apenas o futuro, mas também o presente”.

Assim, no budismo, embora o passado tenha alguma influência no presente, o presente também é moldado pelas ações do presente. Walpola Rahula explicou em What the Buddha Taught (Grove Press, 1959, 1974) por que isso é significativo:

“… em vez de promover a impotência resignada, a noção budista primitiva de karma se concentrava no potencial libertador do que a mente está fazendo a cada momento. Quem você é – de onde você vem – não é nem de longe tão importante quanto os motivos da mente. pelo que está fazendo agora. Mesmo que o passado possa explicar muitas das desigualdades que vemos na vida, nossa medida como seres humanos não é a mão que recebemos, pois essa mão pode mudar a qualquer momento. nossa própria medida pelo quão bem jogamos a mão que temos.”

O que você faz é o que acontece com você

Quando parecemos presos a padrões antigos e destrutivos, pode não ser o carma do passado que está nos deixando presos. Se estivermos presos, é mais provável que estejamos recriando os mesmos velhos padrões com nossos pensamentos e atitudes atuais.

Para mudar nosso carma e mudar nossas vidas, temos que mudar nossas mentes. O professor zen John Daido Loori disse: “Causa e efeito são uma coisa. E o que é isso? Você. É por isso que o que você faz e o que acontece com você são a mesma coisa”.

Certamente, o carma do passado afeta sua vida presente, mas a mudança é sempre possível.

Sem juiz, sem justiça

O budismo também ensina que existem outras forças além do carma que moldam nossas vidas. Isso inclui forças naturais, como a mudança das estações e a gravidade.

Quando um desastre natural como um terremoto atinge uma comunidade, isso não é algum tipo de punição cármica coletiva. É um evento infeliz que requer uma resposta compassiva, não julgamento.

Algumas pessoas têm dificuldade em entender que o carma é criado por nossas próprias ações. Talvez por terem sido criados com outros modelos religiosos, eles queiram acreditar que existe algum tipo de força cósmica misteriosa dirigindo o carma, recompensando pessoas boas e punindo pessoas ruins. Esta não é a posição do budismo. O estudioso budista Walpola Rahula disse:

“A teoria do karma não deve ser confundida com a chamada ‘justiça moral’ ou ‘recompensa e punição’. A ideia de justiça moral, ou recompensa e punição, surge da concepção de um ser supremo, um Deus, que se assenta no julgamento, quem é um legislador e quem decide o que é certo e errado. O termo ‘justiça’ é ambíguo e perigoso, e em seu nome é feito mais mal do que bem à humanidade. A teoria do carma é a teoria da causa e efeito, de ação e reação; é uma lei natural, que nada tem a ver com a ideia de justiça ou recompensa e punição”.

O Bom, o Mau e o Carma

Às vezes as pessoas falam sobre carma “bom” e “ruim” (ou “mau”). A compreensão budista de “bem” e “mal” é um pouco diferente da maneira como os ocidentais geralmente entendem esses termos.

Para ver a perspectiva budista, é útil substituir as palavras “saudável” e “não saudável” por “bem” e “mal”. Ações saudáveis ​​brotam de compaixão altruísta, bondade amorosa e sabedoria. Ações prejudiciais surgem da ganância, ódio e ignorância. Alguns professores usam termos semelhantes, como “útil e inútil”, para transmitir essa ideia. 

Karma e Renascimento

A maneira como a maioria das pessoas entende a reencarnação é que uma alma, ou alguma essência autônoma do eu, sobrevive à morte e renasce em um novo corpo.

Nesse caso, é fácil imaginar o carma de uma vida passada aderindo a esse eu e sendo transportado para uma nova vida. Esta é em grande parte a posição da filosofia hindu, onde se acredita que uma alma discreta renasce repetidamente. Mas os ensinamentos budistas são muito diferentes.

O Buda ensinou uma doutrina chamada anatman , ou anatta – sem alma ou sem eu. De acordo com essa doutrina, não há “eu” no sentido de um ser permanente, integral e autônomo dentro de uma existência individual. O que pensamos como nosso eu, nossa personalidade e ego, são criações temporárias que não sobrevivem à morte.

À luz desta doutrina – o que é que renasce? E onde se encaixa o carma?

Ao fazer essa pergunta, o renomado professor budista tibetano Chogyam Trungpa Rinpoche, emprestando conceitos da teoria psicológica moderna, disse que o que renasce é nossa neurose – o que significa que são nossos maus hábitos cármicos e ignorância que renascem – até o momento em que despertamos. completamente.

A questão é complexa para os budistas, e não para a qual existe uma única resposta. Certamente, há budistas que acreditam no renascimento literal de uma vida para outra, mas também há outros que adotam uma interpretação moderna, sugerindo que o renascimento se refere ao ciclo repetitivo de maus hábitos que podemos seguir se tivermos uma compreensão insuficiente de nossos verdadeiras naturezas. 

Qualquer que seja a interpretação oferecida, porém, os budistas estão unidos na crença de que nossas ações afetam as condições atuais e futuras, e que é possível escapar do ciclo cármico de insatisfação e sofrimento.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

x
Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o uso de nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise. Política de Cookies View more
Aceitar
Recusar