Origens e Desenvolvimentos Leitura espiritual

O retiro budista Vassa Rains

O retiro budista Vassa Rains
Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Vassa, o “retiro das chuvas” anual, é um retiro monástico anual de três meses praticado especialmente na tradição budista Theravada. Os três meses são determinados pelo calendário lunar e, geralmente, começam em julho.

Durante Vassa, os monges permanecem em residência dentro de seus templos e deixam seus terrenos apenas quando necessário. Os leigos mostram sua devoção e apreço apoiando os monges com alimentos e outras necessidades. Os leigos às vezes desistem de coisas como comer carne, beber álcool ou fumar durante o Vassa.

A retirada do Vassa está programada para coincidir com as chuvas de monção da Índia e do sudeste da Ásia. Muitas tradições monásticas budistas Mahayana também têm retiros periódicos ou períodos de prática intensiva modelados após Vassa, mas podem ser observados em diferentes épocas do ano.

Nos dias do Buda, Vassa era observado por homens e mulheres. Existem poucas monjas budistas Theravada hoje, no entanto, então este artigo se concentrará principalmente nos monges.

Retiro Origem das Chuvas

Os primeiros monges e monjas budistas não viviam em mosteiros. Na Índia de 25 séculos atrás havia uma longa tradição de “homens santos” mendicantes errantes que se abrigavam nas florestas. Na maioria das vezes, Buda e seus discípulos seguiram essa tradição. Eles viajavam em grupos de aldeia em aldeia, oferecendo ensinamentos, recebendo esmolas e dormindo sob os galhos das árvores.

Mas grande parte da Índia tinha temporadas de monções na época, assim como hoje. Normalmente, a chuva começa em junho ou julho e continua até setembro ou outubro.

A chuva incessante não apenas dificultou a viagem para o Buda e seus monges. Pequenos animais que saem na chuva – sanguessugas, caracóis, vermes, sapos – podem ser esmagados sob os pés. Ocasionalmente, monges viajando nas chuvas danificavam arrozais recém-plantados.

Para poupar animais e colheitas, o Buda estabeleceu uma regra de que monges e monjas não viajariam durante as chuvas das monções. Em vez disso, eles viveriam juntos e praticariam como uma comunidade. Essa prática provou ser benéfica, proporcionando mais tempo para ensinar e orientar os discípulos mais jovens.

Os primórdios do monaquismo

A princípio, o Buda e seus discípulos passavam o retiro das chuvas onde quer que lhes oferecessem abrigo, às vezes nas propriedades de ricos benfeitores. O discípulo leigo Anathapindika é creditado com a construção do primeiro complexo de construção permanente dedicado a abrigar monges durante Vassa.

Embora o Buda e seus discípulos não ficassem lá o ano todo, esse complexo foi, na verdade, o primeiro mosteiro budista. Hoje, os leitores dos sutras podem notar que o Buda fez muitos de seus sermões “no Jeta Grove, no Mosteiro de Anathapindika”. O recuo das chuvas tornou-se um momento de prática mais intensiva. O Buda também deu grande ênfase à convivência harmoniosa.

Asalha Puja

Asalha Puja, às vezes chamado de “Dia do Dhamma”, é uma celebração realizada um dia antes do início do Vassa. Ele comemora o primeiro sermão do Buda, registrado no Sutta-pitaka como o Dhammacakkappavattana Sutta. Isso significa “colocar a roda do dhamma [ dharma ] em movimento”.

Neste sermão, o Buda explicou sua doutrina das Quatro Nobres Verdades. Este é o fundamento de todos os ensinamentos budistas.

Asalha Puja acontece no dia de lua cheia do oitavo mês lunar, chamado Asalha. Este é um dia auspicioso para os leigos trazerem oferendas aos templos e ficarem para ouvir os sermões. Em alguns lugares, os monges cantam o Dhammacakkappavattana Sutta à noite enquanto mantêm uma vigília de lua cheia.

Mantendo Vassa

Tradicionalmente, no primeiro dia de Vassa, cada monge declara formalmente que permanecerá no templo durante o período de três meses. Um monge pode se envolver em deveres regulares do templo que o levem para fora de seus muros, mas ele deve retornar ao anoitecer.

Se uma circunstância imprevista exigir que um monge viaje, ele pode ser autorizado a fazê-lo, mas deve retornar dentro de sete dias. Estritamente falando, os monges não estão “enclausurados”; eles podem interagir com os leigos tanto quanto costumam fazer.

Durante esses meses, o esforço é “discado” alguns pontos. Mais tempo é dado à meditação e estudo. Monges seniores dedicam mais tempo para ensinar monges mais jovens. Esse cronograma mais intensivo pode ser exaustivo se for tentado durante todo o ano, mas por apenas três meses é mais sustentável.

Os leigos também se comprometem com Vassa, geralmente para aumentar a doação de esmolas e desistir de algum tipo de indulgência, como beber ou fumar. Algumas pessoas chamam Vassa de “Quaresma Budista”, embora isso não seja muito preciso.

Pavarana e Catarina

No dia de lua cheia do décimo primeiro mês lunar, Vassa termina com a observância de Pavarana. Os monges se reúnem e, um por um, contam à assembléia onde sua prática falhou, ou quando poderiam ter ofendido. Cada monge convida a assembléia a repreendê-lo. Se houver uma repreensão, é para ser compassivo e instrutivo.

Vassa termina com a cerimônia Devorohana, que dá as boas-vindas ao Buda de volta dos reinos celestiais.

Depois de Vassa está Kathina, uma observância de um mês em que é tradicional que os leigos façam oferendas de pano para roupas novas.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x
Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o uso de nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise. Política de Cookies View more
Aceitar
Recusar