Origens e Desenvolvimentos Leitura espiritual

O que é um Arhat ou Arahant no Budismo?

O que é um Arhat ou Arahant no Budismo?

No budismo primitivo, um arhat (sânscrito) ou arahant (pali) – “digno” ou “aperfeiçoado” – era o ideal mais elevado de um discípulo de Buda. Ele ou ela era uma pessoa que completou o caminho para a iluminação e alcançou o nirvana. Em chinês, a palavra para arhat é lohan ou luohan.

Arhats são descritos no Dhammapada:

“Não há existência mais mundana para o sábio que, como a terra, não se ressente de nada, que é firme como um alto pilar e puro como um lago profundo e livre de lama. Calma é seu pensamento, calma sua fala e calma sua ação, que, verdadeiramente conhecendo, é totalmente livre, perfeitamente tranqüilo e sábio.” [versículos 95 e 96; Tradução de Acharya Buddharakkhita.]

Nas primeiras escrituras, o Buda às vezes também é chamado de arhat. Tanto um arhat quanto um Buda eram considerados perfeitamente iluminados e purificados de todas as impurezas. Uma diferença entre um arhat e um Buda era que um Buda realizava a iluminação por conta própria, enquanto um arhat era guiado para a iluminação por um professor.

No Sutta-pitaka , tanto o Buda quanto os arhats são descritos como sendo perfeitamente iluminados e livres de grilhões, e ambos alcançam o nirvana. Mas somente o Buda é o mestre de todos os mestres, o mestre do mundo, aquele que abriu a porta para todos os outros.

Com o passar do tempo, algumas escolas primitivas do budismo propuseram que um arhat (mas não um Buda) pudesse reter algumas imperfeições e impurezas. O desacordo sobre as qualidades de um arhat pode ter sido a causa das primeiras divisões sectárias.

O Arahant no Budismo Theravada

Budismo Theravada de hoje ainda define a palavra Pali arahant como um ser perfeitamente iluminado e purificado. Qual é, então, a diferença entre um arahant e um Buda?

Theravada ensina que há um Buda em cada era ou era, e esta é a pessoa que descobre o dharma e o ensina ao mundo. Outros seres daquela era ou era que percebem a iluminação são arahants. O Buda da era atual é, naturalmente, Gautama Buda , ou o Buda histórico.

O Arhat no Budismo Mahayana

Os budistas Mahayana podem usar a palavra arhat para se referir a um ser iluminado, ou podem considerar um arhat alguém que está muito longe no Caminho, mas que ainda não realizou o estado de Buda.

O Budismo Mahayana às vezes usa a palavra shravaka – “aquele que ouve e proclama” – como sinônimo de arhat . Ambas as palavras descrevem um praticante muito avançado, digno de respeito.

Lendas sobre dezesseis, dezoito ou algum outro número de arhats particulares podem ser encontradas no budismo chinês e tibetano. Diz-se que estes foram escolhidos pelo Buda entre seus discípulos para permanecer no mundo e proteger o dharma até a vinda do Buda Maitreya . Esses arhats são venerados da mesma forma que os santos cristãos são venerados.

Arhats e Bodhisattvas

Embora o arhat ou arahant continue sendo o ideal de prática no Theravada, no Budismo Mahayana o ideal de prática é o bodhisattva  – o ser iluminado que promete trazer todos os outros seres à iluminação.

Embora os bodhisattvas estejam associados ao Mahayana, o termo originou-se no budismo primitivo e também pode ser encontrado nas escrituras Theravada. Por exemplo, lemos nos Contos de Jataka que antes de realizar o estado de Buda, aquele que se tornaria o Buda viveu muitas vidas como um bodhisattva, dando de si mesmo pelo bem dos outros.

A distinção entre Theravada e Mahayana não é que Theravada esteja menos preocupado com a iluminação dos outros. Em vez disso, tem a ver com uma compreensão diferente da natureza da iluminação e da natureza do eu; no Mahayana, a iluminação individual é uma contradição em termos.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x