A crucificação de Jesus Cristo

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Jesus Cristo, a figura central do Cristianismo, morreu na cruz romana conforme registrado em Mateus 27: 32-56 , Marcos 15: 21-38, Lucas 23: 26-49 e João 19: 16-37. A crucificação de Jesus na Bíblia é um dos momentos decisivos na história humana. A teologia cristã ensina que a morte de Cristo proporcionou o sacrifício expiatório perfeito pelos pecados de toda a humanidade.

Questão para reflexão

Quando os líderes religiosos tomaram a decisão de matar Jesus Cristo, eles nem mesmo consideraram que ele poderia estar dizendo a verdade – que ele era, de fato, o Messias.

Quando os chefes dos sacerdotes condenaram Jesus à morte, recusando-se a acreditar nele, eles selaram seu próprio destino. Você também se recusou a acreditar no que Jesus disse sobre si mesmo? Sua decisão sobre Jesus pode selar seu próprio destino também, por toda a eternidade .

A história da crucificação de Jesus na Bíblia

Os sumos sacerdotes e anciãos judeus do Sinédrio acusaram Jesus de blasfêmia, chegando à decisão de condená-lo à morte. Mas primeiro eles precisavam que Roma aprovasse sua sentença de morte, então Jesus foi levado a Pôncio Pilatos , o governador romano na Judéia.

Embora Pilatos o considerasse inocente, incapaz de encontrar ou mesmo imaginar um motivo para condenar Jesus, ele temia as multidões, deixando-as decidir o destino de Jesus. Agitadas pelos principais sacerdotes judeus, as multidões declararam: “Crucifica-o!”

Como era comum, Jesus foi açoitado publicamente, ou espancado, com um chicote com tiras de couro antes de sua crucificação. Pequenos pedaços de ferro e lascas de osso foram amarrados nas pontas de cada tira de couro, causando cortes profundos e hematomas.

Ele foi ridicularizado, atingido na cabeça com um bastão e cuspido. Uma coroa de espinhos espinhosa foi colocada em sua cabeça e ele foi despido. Fraco demais para carregar sua cruz, Simão de Cirene foi forçado a carregá-la por ele.

Ele foi levado ao Gólgota, onde seria crucificado. Como era costume, antes de pregá-lo na cruz, foi oferecida uma mistura de vinagre, fel e mirra. Dizia-se que essa bebida aliviava o sofrimento, mas Jesus se recusou a bebê-la. Pregos em forma de estaca foram cravados em seus pulsos e tornozelos, prendendo-o à cruz onde foi crucificado entre dois criminosos condenados.

A inscrição acima de sua cabeça dizia provocativamente: “O Rei dos Judeus”. Jesus foi pendurado na cruz para seu último suspiro de agonia, um período que durou cerca de seis horas.

Durante esse tempo, os soldados lançaram sortes nas roupas de Jesus, enquanto as pessoas passavam gritando insultos e zombarias. Da cruz, Jesus falou com sua mãe Maria e o discípulo João. Ele também clamou ao pai: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Nesse ponto, a escuridão cobriu a terra. Um pouco mais tarde, quando Jesus desistiu de seu espírito, um terremoto sacudiu o solo, rasgando o véu do Templo em dois, de alto a baixo.

O Evangelho de Mateus registra: “A terra estremeceu e as rochas se dividiram. Os túmulos se abriram e os corpos de muitas pessoas santas que haviam morrido foram ressuscitados.”

Era típico dos soldados romanos mostrarem misericórdia quebrando as pernas do criminoso, fazendo com que a morte viesse mais rapidamente. Mas esta noite apenas os ladrões tiveram as pernas quebradas, pois quando os soldados foram até Jesus, eles o encontraram já morto. Em vez disso, eles perfuraram seu lado. Antes do pôr do sol, Jesus foi levado por Nicodemos e José de Arimatéia e colocado na tumba de José de acordo com a tradição judaica.

Pontos de interesse da história

Embora tanto os líderes romanos quanto os judeus pudessem estar implicados na condenação e morte de Jesus Cristo, ele mesmo disse sobre sua vida: “Ninguém tira isso de mim, mas eu o dou por minha própria conta. Tenho autoridade para fazê-lo e autoridade para retomá-la. Esta ordem recebi de meu Pai. ” (João 10:18).

A cortina ou véu do Templo separava o Santo dos Santos (habitado pela presença de Deus) do resto do Templo. Somente o sumo sacerdote poderia entrar ali uma vez por ano, com a oferta de sacrifício pelos pecados de todas as pessoas.

Quando Cristo morreu e a cortina foi rasgada de alto a baixo, isso simbolizou a destruição da barreira entre Deus e o homem. O caminho foi aberto por meio do sacrifício de Cristo na cruz. Sua morte proporcionou o sacrifício completo pelo pecado para que agora todas as pessoas, por meio de Cristo, possam se aproximar do trono da graça.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

x
Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o uso de nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise. Política de Cookies View more
Aceitar
Recusar