O Novo Testamento Leitura espiritual

Perfil de Pôncio Pilatos, governador romano da Judéia

Perfil de Pôncio Pilatos, governador romano da Judéia
Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Pôncio Pilatos foi uma figura chave no julgamento de Jesus Cristo , ordenando que as tropas romanas executassem a sentença de morte de Jesus por crucificação.

Como governador romano da Judéia e juiz supremo na província de 26-37 DC, Pilatos tinha autoridade exclusiva para executar um criminoso. Este soldado e político se viu preso entre o impiedoso império de Roma e as conspirações religiosas do conselho judaico, o Sinédrio.

Pôncio Pilatos

Conhecido por: Prefeito romano da Judéia (26–37 DC) que autorizou a crucificação de Jesus Cristo.

Cidade natal: acredita-se que a família de Pilatos tenha vindo da região de Samnium, no centro da Itália.

Referências bíblicas: Pôncio Pilatos é mencionado em Mateus 27: 2, 11, 13, 17, 19, 22-24, 58, 62, 25; Marcos 15: 1-15, 43-44; Lucas 13: 1, 22:66, 23: 1-24, 52; João 18: 28-38, 19: 1-22, 31, 38; Atos 3:13, 4:27; 13:28; 1 Timóteo 6:13.

Ocupação: Governador da Judéia durante o Império Romano.

Árvore genealógica: Mateus 27:19 menciona a esposa de Pôncio Pilatos, mas não temos nenhuma outra informação sobre seus pais ou filhos.

Quem foi Pôncio Pilatos?

Pouco se sabe sobre Pôncio Pilatos antes de ele chegar à Judéia em 26 DC. Ele era provavelmente um cavaleiro romano que ganhou destaque por meio do serviço militar.

Como governador, sua principal tarefa era manter a lei e a ordem. Pilatos vivia no quartel-general romano em Cesaréia Marítima com uma pequena equipe de apoio e companhia de tropas auxiliares. Durante as festas e festivais judaicos, ele visitava Jerusalém para manter a paz na cidade.

Pilatos é mais lembrado por seu papel na sentença de Jesus à morte. Todos os quatro Evangelhos incluem o julgamento de Cristo diante de Pilatos, embora os detalhes dos relatos difiram um pouco.

Jesus foi preso por ordem de José Caifás, o sumo sacerdote do templo em Jerusalém na época. Caifás e outros membros do Sinédrio acusaram Jesus de blasfêmia , um crime punível com a morte pela lei judaica.

Mas o Sinédrio, ou alto conselho, do qual Caifás era presidente, não tinha autoridade para executar pessoas. Por isso, Caifás entregou Jesus a Pôncio Pilatos, que detinha o poder de governador para cumprir a sentença de morte. Caifás tentou convencer Pilatos de que Jesus era uma ameaça à estabilidade romana e precisava morrer para evitar uma rebelião.

Caifás devia sua posição a Roma e tinha uma boa relação de trabalho com Pilatos. Ele e Pilatos queriam manter a paz, especialmente em uma cidade lotada na Páscoa.

Visto que não havia precedente legal estabelecido para um caso como o de Jesus, cabia a Pilatos, como governador, decidir como lidar com a situação e que sentença aplicar. Pilatos provavelmente via Jesus como um encrenqueiro. Ele ordenou que Jesus fosse crucificado sob o título irônico e sarcasticamente zombeteiro de “Rei dos Judeus”.

Conquistas

Pilatos foi designado para coletar impostos, supervisionar projetos de construção e manter a lei e a ordem. Ele manteve a paz por meio da força bruta e negociações sutis.

O antecessor de Pôncio Pilatos, Valerius Gratus, passou por três sumos sacerdotes antes de encontrar um de seu agrado: José Caifás. Pilatos contratou Caifás, que aparentemente sabia como cooperar com os superintendentes romanos.

Forças e fraquezas

Pôncio Pilatos provavelmente foi um soldado bem-sucedido antes de receber essa nomeação por meio de patrocínio. Nos evangelhos, ele é retratado como não encontrando nenhuma falha em Jesus e simbolicamente lava as mãos sobre o assunto.

Pilatos temia o Sinédrio e um possível motim. Ele sabia que Jesus era inocente das acusações contra ele, mas cedeu à multidão e fez com que Jesus fosse crucificado de qualquer maneira.

Lições de vida

O que é popular nem sempre está certo e o que é certo nem sempre é popular. Pôncio Pilatos sacrificou um homem inocente para evitar problemas para si mesmo. Desobedecer a Deus para acompanhar a multidão é um assunto muito sério. Como cristãos, devemos estar preparados para defender as leis de Deus.

Versículos-chave da Bíblia

Mateus 27:24
Então, quando Pilatos viu que ele não estava ganhando nada, mas sim que uma rebelião estava começando, ele tomou água e lavou as mãos diante da multidão, dizendo: “Eu sou inocente do sangue deste homem; cuidem disso vocês mesmos”.

Lucas 23:12
E Herodes e Pilatos tornaram-se amigos naquele mesmo dia, pois antes disso eles tinham inimizade um com o outro.

João 19: 19-22
Pilatos também escreveu uma inscrição e a colocou na cruz. Dizia: “Jesus de Nazaré, o Rei dos Judeus”. Muitos dos judeus leram essa inscrição, pois o lugar onde Jesus foi crucificado era perto da cidade, e estava escrita em aramaico, latim e grego. Assim, os principais sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: “Não escreva ‘O Rei dos Judeus’, mas antes: ‘Este homem disse: Eu sou o Rei dos Judeus'”. Pilatos respondeu: “O que escrevi, tenho escrito.”

Fontes

  • Dicionário de Jesus e os Evangelhos, segunda edição (p. 679).

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x
Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o uso de nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise. Política de Cookies View more
Aceitar
Recusar