Pin It

A Bíblia

A crucificação de Jesus Cristo – O que a Bíblia nos diz sobre a crucificação de Jesus

A crucificação de Jesus Cristo – O que a Bíblia nos diz sobre a crucificação de Jesus

O que a Bíblia nos diz sobre a crucificação de Jesus Cristo, a figura central do cristianismo, morreu em uma cruz romana, conforme registrado em Mateus 27: 32-56, Marcos 15: 21-38, Lucas 23: 26-49 e João 19: 16-37.

Crucificação de Jesus Cristo – Resumo da História

Os sumos sacerdotes e anciãos judeus do Sinédrio acusaram Jesus de blasfêmia, chegando à decisão de matá-lo. Mas primeiro eles precisaram de Roma para aprovar sua sentença de morte, então Jesus foi levado a Pôncio Pilatos, o governador romano na Judéia.

Embora Pilatos o achasse inocente, incapaz de encontrar ou mesmo de inventar uma razão para condenar Jesus, ele temia as multidões, deixando que elas decidissem o destino de Jesus. Agitados pelos principais sacerdotes judeus, as multidões declararam: “Crucifica-o!”

Como era comum, Jesus foi publicamente flagelado, ou espancado, com um chicote de couro antes de sua crucificação. Pequenos pedaços de ferro e ossos estavam amarrados nas extremidades de cada tanga de couro, causando cortes profundos e contusões dolorosas.

Ele foi ridicularizado, golpeado na cabeça com uma equipe e cuspido. Uma espinhosa coroa de espinhos foi colocada em sua cabeça e ele foi despido. Muito fraco para carregar sua cruz, Simão de Cirene foi forçado a carregá-lo para ele.

Ele foi levado ao Gólgota, onde seria crucificado. Como era costume, antes de pregá-lo na cruz, uma mistura de vinagre, fel e mirra foi oferecida. Esta bebida foi dito para aliviar alguns dos sofrimentos, mas Jesus se recusou a beber.

Estacas parecidas com estacas foram empurradas através de seus pulsos e tornozelos, prendendo-o na cruz onde ele foi crucificado entre dois criminosos condenados.

A inscrição acima de sua cabeça dizia: “O rei dos judeus”. Jesus pendurou na cruz para suas últimas respirações agonizantes, um período que durou cerca de seis horas.

Durante esse tempo, os soldados lançaram muitas roupas de Jesus, enquanto as pessoas passavam gritando insultos e escárnio. Da cruz, Jesus falou a sua mãe Maria e ao discípulo João. Ele também clamou ao pai: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”

Nesse ponto, a escuridão cobriu a terra. Um pouco mais tarde, quando Jesus entregou seu espírito, um terremoto sacudiu o chão, rasgando o véu do Templo em duas partes, de alto a baixo.

O Evangelho de Mateus registra: “A terra tremeu e as rochas se dividiram. Os túmulos se abriram e os corpos de muitas pessoas sagradas que morreram foram ressuscitados.”

Era típico dos soldados romanos mostrar misericórdia, quebrando as pernas do criminoso, fazendo com que a morte acontecesse mais rapidamente.

Mas esta noite só os ladrões tiveram as pernas quebradas, pois quando os soldados chegaram a Jesus, encontraram-no já morto. Em vez disso, eles perfuraram seu lado. Antes do pôr do sol, Jesus foi derrubado por Nicodemos e José de Arimateia e colocado no túmulo de José de acordo com a tradição judaica.

Pontos de Interesse da História

A teologia cristã ensina que a morte de Jesus Cristo providenciou o perfeito sacrifício expiatório pelos pecados de toda a humanidade, tornando o crucifixo, ou cruz, um dos símbolos definidores do cristianismo.

Embora tanto os líderes romanos como os judeus pudessem estar implicados na condenação e morte de Jesus Cristo, ele mesmo disse sobre sua vida: “Ninguém o tira de mim, mas eu o estabeleço por minha própria vontade. Tenho autoridade para estabelecê-lo e autoridade para retomar isto. Este comando eu recebi de meu Pai. ” (João 10:18)

A cortina ou véu do Templo separava o Santo dos Santos (habitado pela presença de Deus) do resto do Templo. Somente o sumo sacerdote podia entrar ali uma vez por ano, com a oferta de sacrifício pelos pecados de todo o povo.

Quando Cristo morreu e a cortina foi rasgada de alto a baixo, isso simbolizou a destruição da barreira entre Deus e o homem. O caminho foi aberto através do sacrifício de Cristo na cruz. Sua morte proporcionou o completo sacrifício pelo pecado, de modo que agora todas as pessoas, através de Cristo, podem se aproximar do trono da graça.

Pergunta para reflexão

Quando os líderes religiosos chegaram à decisão de matar Jesus, eles nem sequer consideraram que ele poderia estar dizendo a verdade – que ele era, de fato, seu Messias.

Quando os principais sacerdotes condenaram Jesus à morte, recusando-se a acreditar nele, selaram seu próprio destino. Você também se recusou a acreditar no que Jesus disse sobre si mesmo? Sua decisão sobre Jesus pode selar seu próprio destino também, por toda a eternidade.

Veja mais: Como pregar a palavra de deus

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.